Antes do século 20, a Europa era a maior produtora de fragrâncais e perfumes. O primeiro perfume feito com álcool foi criado na Hungria em 1370 e foi considerado o primeiro perfume moderno por usar álcool como base no lugar do óleo que sempre era usado nas civilizações mais antigas.
A fragrância foi criada pela rainha da Hungria e ficou conhecida por toda a Europa como: “Hungary Water”. A prática moderna de se fazer perfume prosperou pela Europa e os perfumistas logo se organizaram. Por centenas de anos perfumes eram usados pela burguesia que geralmente tinham seus próprios perfumistas. Na França do século 18, a corte do Rei Louis XV foi chamada de “a corte do perfume” pelo uso intenso de fragrâncias, não só na pele e roupas como também nos móveis e objetos do palácio. Esse uso de perfumes continuou pelo reinado de Napoleão.
Muitas marcas famosas de perfume que existem hoje foram fundadas na Europa no século 19. Um exemplo é a Guerlain, que a foi a primeira estabelecida em 1828 em Paris por Pierre-Francois Pascal Guerlain. Guerlain, com a ajuda dos seus 2 filhos queriam criar aromas personalizados para cada um de seus patronos aristocratas. O sucesso e prestígio que ganhou foi crescendo rápido e logo ele teve a honra de criar perfumes para a rainha Victoria e também para rainha Isabelle II. A casa de perfumes Guerlain continuou a fazer sucesso por gerações depois da morte de Pierre-Francois em 1864 e manteve sua reputação como expert em perfumes. Em 1889, Guerlain lançou o primeiro perfume bem concentrado, o Jicky, que é muito parecido com os perfumes criados no século 20. Hoje a Guerlain é conhecida no mundo todo e continua fabricando perfumes.
Muitas fragrâncias criadas há mais de 50 anos são vendidas até hoje. Veja alguns exemplos:

Miss Dior 1947
Também vendido na edição Miss Dior Chérie

L’air Du Temps – Nina Ricci – 1948

Calandre – Paco Rabanne- 1969

O De Lancôme – 1969

Anúncios